Interrogações Urbanas #03

Amor à primeira vista, verdadeiro ou falso? Existem milhares de pessoas ao redor do mundo, cada uma com sua qualidade em especifico, cada uma com suas características e manias.

– Eu acredito em amor à primeira vista. – Falou um rapaz sentado em uma grande escadaria que dava acesso á prefeitura. Dezenas de pessoas a utilizam para comer, conversar ou simplesmente descansar.

– Em que tipo? – Falou seu amigo que o acompanhava com uma salada.

– Como assim que tipo? Existe apenas um amor à primeira vista.

– Não, existem dois. O conto de fadas e o real. Qual dos dois você está se referindo?

– Estou me referindo ao único que existe, você se apaixona e passa o resto da vida com esta pessoa.

– Querido Igor, isso não é amor à primeira vista.

– Então o que é? – Perguntou Igor intrigado.

– Na minha imaginação você só tem o “amor à primeira vista” uma vez na vida, e mesmo assim apenas quando adolescente ou jovem o bastante para acreditar nesta besteira. – Ele deu uma garfada na salada, mastigou o suficiente e depois continuou. – Só temos amor à primeira vista quando estamos novos, quando não sabemos exatamente o que o amor faz. O amor para as pessoas que acreditam nisso é um amor de Cinderela, um sentimento que não existe na realidade. Por exemplo, eu. Quando tinha quinze anos eu me apaixonei por um garoto da minha turma de teatro, foi amor à primeira vista. O cara era alto, bonito, tinha uma barba bem feita… O rapaz era um sonho. Nós passamos meses namorando, eu estava completamente apaixonado, a fantasia da minha cabeça fazia com que tudo aquilo fosse realmente o meu conto de fadas. Até que ele se jogou da ponte e eu nunca mais o vi.

Igor ficou parado, chocado com a noticia.

– Ele morreu?

– Não, só ficou com umas cicatrizes, nada muito grave (eu acho). Depois daquele dia eu fui proibido de ver o garoto, afinal de contas ele era maluco. Foi ele que começou minha maldição, acredita?

– Que maldição?

– A maldição de que eu só fico com gente maluca. Todos os meus relacionamentos se resumiram em pessoas que não tinham um bom estado mental. Veja Felipe que era bipolar; Lucas que não conseguia ter apenas uma personalidade. Este rapaz do teatro foi o cara que começou tudo isso, o meu primeiro amor à primeira vista foi o cara que definiu todos os meus futuros relacionamentos.

– Só porque foi assim com você, não significa que será assim com todo mundo.

 

  • Extraído do livro “Coquetel Urbano e suas histórias”.

Interrogações Urbanas #02

Um dia tem vinte e quatro horas, uma hora tem sessenta minutos e um minuto tem sessenta segundos. O tempo é algo que não foi criado e sim descoberto. Contudo, a partir do momento em que o descobrimos, passamos a reclamar da sua existência.

Frases como: não tenho tempo; o tempo passa muito rápido ou o tempo está passando devagar, são ouvidas ao redor do mundo a cada milésimo de tempo.

Por outro lado também existem inúmeras controvérsias, como: O tempo cura, e, o tempo trará a justiça.

De tudo isso, a única conclusão que podemos tomar é que o tempo pode até sumir, mas no final de tudo, vamos querê-lo de volta.

O tempo vai me fazer esquecer isso – Pensava Thomas enquanto preparava o almoço sozinho em casa. – É normal sentir atração por outras pessoas. O problema é se eu fizer alguma coisa.

Era segunda-feira. Uma nova semana, um novo tempo.

 

  • Extraído do livro “Coquetel Urbano e suas histórias”.

Interrogações Urbanas #01

Quando crescemos sempre ouvimos que somos responsáveis pelas nossas atitudes; você colhe o que planta e assim sucessivamente.

Todos nós cometemos erros, sejam eles pequenos ou grandes; mas o que acontece quando os nossos erros acabam atingindo outras pessoas? E o principal, o que acontece quando atingimos as pessoas que amamos?

 

  • Extraído do livro “Coquetel Urbano e suas histórias”.

Dois homens no escuro

A noite estava fria e escura. A rua deserta demonstrava sua solidão com um pequeno balé realizado pelas folhas mortas que caíam dos ramos das árvores.

Das sombras de uma das árvores surgiu um homem alto e sério; ele portava uma longa capa preta e na sua cabeça jazia um grande chapéu redondo, também preto.

O homem observou a rua deserta e caminhou até o último poste do extremo. Lá ele se encostou no tronco de metal e retirou um cachimbo das vestes. Ele acendeu a fornalha e tornou-se a olhar para o vazio na sua frente.

Lentamente outro homem apareceu no final da rua. Ele caminhou em direção ao desconhecido até imitá-lo na posição. O primeiro homem tinha longos cabelos pretos, já o segundo estava irreconhecível.

– Irei ao amanhecer. – Falou o primeiro para o vento.

– Tente não estragar tudo desta vez.

– Não irei, Linn, o plano está todo esquematizado.

– Alguém desconfia do disfarce? E quanto à fronteira?

– Já está tudo resolvido. Pode confiar.

O segundo homem bufou discretamente. Linn levou o cachimbo à boca e lentamente sugou a fumaça; soltando-a lentamente segundos depois. Os galhos da árvore balançavam devagar, seguindo o movimento do vento.

– O mapa já está quase completo, Marc – Falou Linn embaixo do capuz. – Em breve tudo irá mudar.

– E eu quero fazer parte desta mudança.

– Se você completar a missão tenho certeza de que fará parte. Você trouxe o pacote?

Marc colocou a mão no bolso e delicadamente retirou um objeto redondo que estava envolto em um pano xadrez. Finn observou a sombra arredondada do objeto e se fascinou. Lentamente ele estendeu a mão e puxou o artefato da mão de Marc; guardando-a rapidamente no bolso.

– Isso poderá mudar o destino de tudo. – Comentou Finn.

Marc, que até então estava com uma expressão tristonha por ter passado o objeto para o Finn, voltou a observar o final da rua escura.

– A máquina está pronta? – Perguntou ele.

– Em poucos meses estará. Em poucos meses a mágica mais poderosa deste mundo estará quebrando toda e qualquer barreira. – Finn proclamava as palavras com raiva e rancor. – Em poucos meses mais países serão dominados e o grande relógio de Garnir irá sucumbir. Em poucos meses, caro Marc, o símbolo de tradição e honra do mundo mágico Belga se tornará lenda. E então uma nova ordem surgirá e tudo o que um dia foi considerado inútil e desprezível, será aclamado e reverenciado.

Um pássaro voou da árvore e seguiu rumo por entre o céu estrelado. Os homens se entreolharam e depois voltaram a fitar o fim da rua.

– O Charles foi eliminado? – Perguntou Marc.

– Está preso. Não acho que o grupo vá eliminá-lo, afinal de contas ele foi muito importante para o movimento. Pena que não se adaptou as… Melhorias.

Outro pássaro voou da árvore, desta vez cantando. Finn deu um passo para frente e em súbito começou a caminhar pela rua, voltando para o começo dela.

Marc estranhou o comportamento do comparsa, mas em poucos segundo entendeu do que se tratava.

De repente, Linn se virou e soltou uma bola verde esmeralda em direção à árvore. Um fogaréu enorme iluminou a rua enquanto a árvore pegava fogo.

Das chamas caíram dois corpos. Era um homem e uma mulher, ambos não sofreram queimaduras, mas seu aspecto era um tanto quanto curioso. O casal tinha enormes asas de canários e a boca deles lembrava um bico.

Segundos depois da queda os dois se levantaram rapidamente e conjuraram uma mágica em direção ao Finn.

No exato momento, Marc fugiu por entre a rua. O homem pássaro ainda tentou impedi-lo, mas de nada adiantou. Marc fugiu com a velocidade de um relâmpago.

A batalha gerou enormes flashes de luz e a rua que antes estava escura, agora reluzia em raios azuis marinhos e vermelho sangue.

Em determinado momento o homem pássaro pulou e se transformou em um pequeno canário, ele deu dois cantos e depois sumiu no meio do céu. A mulher continuava concentrada, soltando mágicas intermináveis em direção ao Linn.

Mas Linn não era iniciante no mundo mágico. O encapuzado dominava a arte e ainda tinha tempo de cobrir o rosto quando o capuz ameaçava voar.

– Sua insignificante, estúpida. – Falava roendo os dentes de raiva. – Eu vou te matar.

A mulher não perdia tempo falando, apenas sussurrava mágicas ainda mais poderosas e complexas para si mesma.

– O seu mundo vai queimar. – Continuou o rebelde, agora com os olhos fervendo. – E quando chegar a hora, eu irei te ver implorar para morrer.

Inúmeros raios prateados começaram a dançar ao redor dos dois mágicos. Um apito agudo foi ouvido ao longe; várias luzes se acenderam na rua.

Em seguida ecoou um grito feminino, um estalo e uma risada.

E então tudo ficou escuro.

 

  • Texto extraído do livro “Albert Beaumont no mundo dos mortos”. Pag 11 até 14.